top of page

Enteropatias crônicas em animais de estimação: dieta, fibras e microbioma

Com sintomas gastrointestinais comuns em animais de estimação, o tratamento de enteropatias crónicas em cães e gatos é de interesse contínuo – e há uma variedade de estratégias nutricionais nas quais se pode apoiar.



Vômitos, diarreia e perda de peso são os motivos mais comuns para uma visita ao veterinário. Eles podem indicar uma enteropatia crônica. Como se pensa que aproximadamente 60% dos cães com enteropatia crónica respondem ao tratamento dietético, este é considerado o padrão ouro para o controlo dos sintomas e deve ser utilizado como primeira linha de terapia.


O suporte dietético para esses casos pode incluir alimentos com proteínas novas ou hidrolisadas, alterações no conteúdo de fibras ou práticas que alterem o microbioma do animal de estimação.



Mas afinal, o que são enteropatias crônicas?


A enteropatia crônica refere-se à doença gastrointestinal (GI) com sinais clínicos de duração superior a 3 semanas na ausência de enteropatógenos, parasitas, distúrbios não gastrointestinais identificados (por ex., doença renal, hipertiroidismo), corpos estranhos persistentes e/ou exposição à toxina ou neoplasia. Estas condições gastrointestinais representam um grupo de sintomas em cães e gatos que se manifestam como diarreia, vómitos, anorexia e/ou perda de peso.


A síndrome de enteropatia crônica pode ser dividida em responsiva à dieta, responsiva a antibióticos e responsiva a imunossupressores, de acordo com a resposta ao tratamento.


Acredita-se que uma interação complexa entre o sistema imunológico, o microbioma intestinal e os componentes da dieta leve a esta doença crônica com manifestações tão graves. No entanto, é claro que as intolerâncias e alergias alimentares, combinadas com um microbioma desequilibrado, estão no centro da causa.


Esta condição clínica pode ser equiparada à doença do intestino irritável em humanos, sendo que, o glúten é definido como o principal alérgeno que desencadeia os primeiros sintomas gastrointestinais. A alergia ao glúten também foi observada em algumas raças de cães, no entanto, na população em geral de animais de estimação, essa intolerância é relativamente baixa. Em vez disso, as proteínas animais – especialmente aves e carne bovina – são consideradas os alérgenos mais comuns para animais de estimação, mas hoje em dia outras proteínas comuns, como peixe, cordeiro ou peru, também devem ser evitadas em determinados casos.



A importância de um teste dietético


Por se tratar de uma doença crônica que exige visitas frequentes ao veterinário, os proprietários geralmente desejam obter um tratamento que mantenha os sinais clínicos em remissão pelo maior tempo possível. Na maioria dos casos, o primeiro passo diagnóstico e terapêutico é um teste dietético, uma vez que estudos demonstraram que a maioria dos cães responde favoravelmente durante um longo período de tempo a uma intervenção dietética adequada.


Animais de estimação cujos sintomas gastrointestinais se estabilizam em poucas semanas podem ser considerados como tendo uma enteropatia crônica responsiva à dieta. Se não ocorrer estabilização, deve ser considerado tratamento com imunossupressores.


Existem 2 abordagens dietéticas: uma dieta com novas proteínas ou uma dieta com proteínas hidrolisadas.


Idealmente, uma nova dieta proteica contém um número limitado de ingredientes alergênicos que também são novos para aquele animal de estimação. Na maioria dos casos, é apropriado excluir fontes de proteína comuns, como aves e carne bovina, substituindo-as por ingredientes mais raros, como veado ou coelho.

Os alimentos hidrolisados para animais de estimação utilizam proteínas que são decompostas em pequenas moléculas que não podem ser reconhecidas pelo sistema imunológico. A hidrólise enzimática durante o processo de fabricação decompõe a estrutura da proteína em fragmentos polipeptídicos, com o objetivo de minimizar a estimulação imunológica em comparação com a proteína intacta. A ultrafiltração subsequente pode reduzir ainda mais a antigenicidade. Embora difíceis de produzir, estas dietas veterinárias fornecem um produto altamente digerível e livre de alérgenos.


A decisão entre uma dieta alimentar para animais de estimação contendo novas proteínas e uma dieta contendo proteínas hidrolisadas está frequentemente relacionada à palatabilidade da dieta e ao teor de gordura e fibra apropriado para o paciente. A digestibilidade dietética é considerada crítica, pois a integridade do intestino se beneficiaria com uma dieta altamente digerível.


O tratamento dietético de alergias alimentares é muitas vezes desafiador devido aos riscos de contaminação cruzada dos alimentos durante o processo de fabricação e à possível falta de cumprimento por parte do tutor.



Fibra e microbioma


O conteúdo de fibra e a proporção de fibra solúvel e insolúvel também parecem desempenhar um papel importante.

As enteropatias crônicas localizadas principalmente no cólon geralmente beneficiam de uma maior ingestão de fibras para estabilizar o microbioma do cólon, enquanto as localizadas no intestino delgado geralmente respondem melhor a dietas altamente digeríveis e com baixo teor de fibras.


No cólon, a fermentação bacteriana da fibra alimentar promove o crescimento e a atividade da microbiota intestinal, inibe o crescimento excessivo de bactérias patogênicas e fornece uma fonte de energia para os colonócitos. Em última análise, um microbioma equilibrado tem um efeito positivo no sistema imunológico e na produção de vitaminas B e K.




Se o seu animal de estimação apresenta algum dos sintomas aqui mencionados, fale com o seu médico veterinário, poderá ser necessário dar início a um teste dietético.


Na nossa loja de animais online, encontra rações especificamente formuladas para cães com problemas gastrointestinais, com proteínas hidrolisadas, algumas pode encontrar aqui.


Se precisar de ajuda, estamos sempre disponíveis através no nosso email de apoio ao cliente, não hesite em contactar-nos.

26 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page